FESTIVAL DE BRASÍLIA 2012



"Domésticas" de Gabriel Masclaro e "Era Uma Vez Eu, Verônica" (foto) de Marcelo Gomes foram os destaques do quarto dia das mostras competitivas da 45ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. "Domésticas" é um documentário muito interessante onde partindo da ideia do diretor, vários jovens filmam o dia a dia dos empregados que cuidam de suas casas revelando intimidades, fraquezas e histórias absolutamente humanas destes personagens tão importantes e muitas vezes tão esquecidos. A maior virtude do documentário é a variedade dos exemplos filmados. Vemos aqui desde uma empregada que começou a trabalhar na família de sua melhor amiga na infância e até mesmo um empregado doméstico que cuida de uma residência após abandonar (e/ou ser abandonado) pela família. Sem uma linha definida de história, o documentário consegue ser realista e consegue captar com simplicidade uma parte da vida das domésticas e como suas histórias estão diretamente ligadas com seu dia a dia e futuro. Bom trabalho que pode ser considerado entre os melhores do festival.
"Era Uma Vez Eu, Verônica" é mais uma produção pernambucana de bom nível do festival. Verônica é uma personagem cheia de dúvidas sobre sua vida profissional e amorosa, mais vai vivendo e se revelando à vida assim mesmo. Vivendo dificuldades com a doença de seu pai e a complexidade de entender o ofício de sua profissão (médica), Verônica segue sua trajetória de transformação e revelação, com medo mas sempre seguindo em frente. A direção do filme é bem conduzida e apesar de alguns momentos irregulares, o filme consegue construir uma narrativa simples, direta, com variações interessantes onde a narração da personagem principal nem sempre representa o que ela realmente sente mas que revela mais ainda sua instabilidade. Ao final, Verônica, como todos nós, não resolve suas dúvidas e medos mas sim, aprende a lidar com estas e outras dificuldades, sempre seguindo em frente. Menção especial para a atuação de Hermilla Guedes (de "O Céu de Suely").
Outro destaque do dia foi a continuação do seminário sobre a crítica de cinema baseado na obra do crítico Paulo Emílio Salles, que gerou ótimas reflexões e discussões entre os jornalistas presentes.

Programação das mostras competitivas para sábado, dia 22/09:
Mostra Competitiva - Documentário :
- "A Ditadura da Especulação" de Zé Furtado (10 minutos - DF)
- "Olho Nu" de Joel Pizzini (101 minutos - RJ)

Mostra Competitiva - Animação e Ficção:
- "Phantasma" de Alessandro Corrêa (10 minutos - SP)
- "Vestido de Laerte" de Claudia Priscila e Pedro Marques (13 minutos - SP)
- "Noites de Reis" de Vinicius Reis (93 minutos - RJ)

*Marco Antonio Moreira, direto da 45ª edição do Festival de Brasilia de Cinema Brasileiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E O FINAL DE "ONDE OS FRACOS NÃO TEM VEZ"

Cine Troppo - De 21 a 27/12/17

Cine Troppo - De 25 a 31/01/18