domingo, 25 de março de 2012

CINE TROPPO - SEMANA DE 23 À 29/03/12


CINE TROPPO
Marco Antonio Moreira Carvalho
Lançamentos da Semana
Caso não haja alterações de última hora, as estréias da semana são “Pina”, “Drive”, “Jogos Vorazes” e “O Lorax : Em Busca da Trúfula Perdida”.
“Pina” está sendo considerado como um dos primeiros filmes de arte realizados em 3D. O filme é uma homenagem a Pina Bausch, coreógrada alemã que morreu em 2009. Win Wenders (realizador de grandes filmes como “Asas do Desejo” e “Paris, Texas”) procura mostrar o trabalho e a inspiração de Pina através da sua dança e dos depoimentos de parceiros e dançarinos da companhia de dança Tanztheater Wuppertal que ela dirigiu durante anos. O filme foi indicado ao “Oscar” de melhor documentário este ano. Programa obrigatório.
“Drive” é um grande filme que revela o trabalho de Nicolas Winding Refn que inclusive ganhou o prêmio de melhor diretor no último festival de Cannes. O filme mostra a história de um piloto de carros dublê em Hollywood que presta serviços de motorista para criminosos mas tudo se complica quando ele tenta ajudar o marido de uma amiga e acaba tornando-se alvo de um dos homens mais perigosos de Los Angeles. “Drive” é um dos grandes filmes do ano. Não deixe de ver.
“Jogos Vorazes” é uma adaptação do sucesso mundial da escritora Suzanne Collins,
primeira parte de um trilogia de livros para jovens cujos títulos originais são: "The Hunger Games", "Catching Fire" e "Mockingjay". Em um futuro distante, depois da extinção da América do Norte, sua população é dividida em 13 distritos. Anualmente, dois jovens representantes de cada distrito são sorteados para participar de um reality showmortal. Katniss Everdeen é um deles que se vê obrigada a participar da competição para salvar sua irmã e conseguir a liberdade de seu povo. No elenco, a excelente atriz Jennifer Lawrence (Inverno da Alma)
“O Lorax : Em Busca da Trúfula Perdida” é uma adaptação do conto clássico do Dr. Seuss de uma criatura da floresta que compartilha o eterno poder da esperança. A aventura animada conta a jornada de um rapaz que procura pela única coisa que poderá fazer com que ele conquiste a afeição da garota de seus sonhos. O filme será exibido em 3D.

Crítica/”PINA”
“Pina” de Win Wenders.
Há tempos não via um filme tão bom do diretor Win Wenders. Sou fã do seu trabalho desde que vi “O Amigo Americano” no final dos anos setenta. Wenders sabe como poucos diretores trabalhar a imagem, o som, a narrativa e desenvolver boas histórias em seus filmes. Mas seus últimos trabalhos não alcançaram o nível da primeira fase da sua carreira. Em “Pina”, ele teve uma chance de ouro na intenção de mostrar a magnífica obra da coreógrafa Pina Baush que revolucionou a dança nas últimas décadas com seu trabalho na companhia de dança Tanztheater Wuppertal. E o desafio aumentou quando durante a elaboração do projeto, Pina faleceu aos 68 anos. Dessa forma, Wenders direcionou seu filme como uma ode ao trabalho de Pina, evidenciando sua coreografia, dentro e fora dos palcos, mostrando os dançarinos completamente envolvidos com a dança seja diante do público, seja diante da selva de pedra da cidade grande.
Wenders foi extremamente feliz em colocar a dança de Pina nas ruas. Assim, ele dimensionou o trabalho da coreógrafa, entrando em contato com o dia a dia das pessoas, coisas, lugares sem vida que cercam nossa rotina. A dança, aqui, dá vida as coisas, lugares. A simplicidade e complexidade das coreografias emocionam. Assim como emociona os depoimentos dos parceiros/dançarinos de Pina no decorrer de todo o documentário. Wenders, cineasta experiente no gênero documentário, mostra os depoimentos com a câmera captando a imagem das pessoas e deixando uma narração em “off” destas pessoas expressar seus sentimentos por Pina. Assim, nós espectadores começamos a entender o que Pina era, é e sempre será. Uma artista inspiradora que procurava tirar o melhor de cada um de forma que esse melhor explodisse com toda a força na hora da dança. “Dancem, dancem, do contrário estamos perdidos”. É isso. A dança é vida. E Pina fazia todos acreditar nisso.
Trabalhando à exaustão as cores, movimentos, cenários e enquadramentos para captar a essência do trabalho de Pina, Wenders foi realmente feliz em usar a tecnologia 3D de forma técnica mais acima de tudo, sensível, funcional, poética, exploratória, inspirando-se na imagem captada e não mentindo/forjando um efeito visual do nada para lugar nenhum como normalmente os filmes fazem com este nova tecnologia. Aqui, a força da tecnologia 3D nasce, nos inspira e nos faz acreditar que é muito mais do que simplesmente forma. O 3D pode ser parte do conteúdo, da construção estética de um filme e usado como foi em “Pina”, só podemos esperar o melhor dos futuros projetos e diretores que vejam este recurso com uma visão menos comercial e mais interativa dentro da narrativa. Ao final, o filme nos conquista ao ponto de nos sentirmos como um dos dançarinos e parceiros de Pina com uma imensa saudade e sentimento de perda desta artista inspiradora mas principalmente com uma enorme vontade de viver, compreender e aceitar o mundo através da beleza da dança.

AGENDA
*Cineclube Alexandrino Moreira: A ACCPA em parceria com IAP exibirá em abril os clássicos “Irene, A Teimosa” de Gregory La Cava e “Rastros de Ódio” de John Ford em homenagem ao crítico Alexandrino Moreira que faria 80 anos em 2012. Em maio, mais homenagens com exibição de filmes do grande ator Erland Josephson e do roteirista Tonino Gerra, recentemente falecidos.
*Cine Olympia: Dentro da mostra de filmes da distribuidora LUME, hoje será exibido o filme “Pusher” do diretor Nicolas Winding Refner (mesmo diretor de “Drive”). O filme foi realizado em 1996 e tem uma história sobre o submundo do crime em Copenhague através de Frank, um pequeno traficante que vive de golpes e sofre para escapar da perseguição implacável dos grandes chefões do crime. Confira a programação da mostra nesta semana : Dias 27 e 28/03 – “KES” de Ken Loach (1969), Dias 29 e 30/03 – “O ANJO EMBRIAGADO” de Akira Kurosawa (1948) e Dias 31/03 e 01/04 – “UM CONDENADO À MORTE ESCAPOU” de Robert Bresson (1956). A mostra faz parte da programação especial do centenário do cine Olympia e tem sessão às 18:30 h com entrada franca.
*Cine Líbero Luxardo: "Uma Doce Mentira" de Pierre Salvadori será exibido no período de 28 a 01 de abril e 04 de abril a 08 de abril, às 19h. O filme mostra a história de Emilie (Audrey Tautou) que recebe uma linda carta de amor anônima e partir dessa situação, vê sua rotina ser alterada com uma série de surpresas.
.*Cine Estação: “A Separação”, filme iraniano premiado com o “Oscar” de melhor filme estrangeiro será exibido a partir de abril.

domingo, 18 de março de 2012

CINE TROPPO - SEMANA DE 16 À 22/03/12

CINE TROPPO
Marco Antonio Moreira Carvalho
Lançamentos da Semana
Caso não haja alterações de última hora, as estréias da semana são “Protegendo o Inimigo”, “Pequenos Espiões 4”, “Anderson Silva : Como Água”, “Guerra é Guerra”, “Projeto X: Uma Festa fora de Controle” e “W.E. – O Romance do Século”.
Em “Protegendo o Inimigo”, Tobin Frost (Denzel Washington), o mais perigoso agente renegado da CIA, está de volta depois de uma década como fugitivo. Quando o esconderijo na África do Sul onde ele está detido é atacado por mercenários, o inexperiente oficial Matt Weston (Reynolds) foge com ele. Agora, eles têm que permanecer vivos o maior tempo possível para descobrirem quem os quer mortos.
Em “Pequenos Espiões 4”, Marissa Cortez Wilson (Jessica Alba) é uma espiã aposentada que volta a trabalhar para a agência em que atuou por muitos anos. Com um bebê, ela e a família se metem em uma grande confusão.
“Anderson Silva: Como Água” é um documentário que mostra a preparação do brasileiro Anderson Silva e os treinos com seus amigos lutadores Lyoto "O Dragão" Machida, Júnior dos Santos e Antônio "Minotauro" Nogueira para a defesa do título de sua carreira no UFC.
“Guerra é Guerra” é uma comédia romântica. Dois espiões, amigos e inseparáveis, se apaixonam pela mesma garota (Reese Witherspoon) e acabam entrando em uma guerra cheia de ação para conquistá-la.
“Projeto X: Uma Festa Fora de Controle” mostra três alunos do último ano do colegial tentando deixar o anonimato fazendo uma festa que ninguém irá esquecer. Mas nada poderia prepará-los para as confusões que vão acontecer.
“W.E – O Romance do Século” se passa em duas épocas. No passado o Rei Eduardo VIII, da Inglaterra, se apaixona pela americana Wallis Simpson, uma plebéia divorciada. Nos dias de hoje, uma mulher casada vive um romance com um agente de segurança russo. A direção é da cantora Madonna.

Críticas/”TRANSEUNTE”
A SOLIDÃO DE VIVER
Um dos temas mais interessantes que o cinema pode abordar especialmente nos dias de hoje, é o da solidão. Em pleno século XXI, na era da comunicação, das mídias sociais, mais do que nunca parece que estamos cada vez mais sozinhos e vivendo numa sociedade individualista. Relacionando este tema com a questão da velhice, novos caminhos narrativos podem ser explorados e Eryk Rocha, um dos nomes mais importantes do cinema brasileiro atual, soube abordar este assunto com sensibilidade e inteligência em seu primeiro filme de ficção, “Transeunte”. No filme, acompanhamos o dia a dia de um homem aposentado que sem raízes familiares e/ou emocionais, vaga pelas ruas do Rio de Janeiro para ser notado, desprezado, percebido, ignorado. Um homem invisível aos outros e a si mesmo que encontra nas pequenas rotinas algo para se prender à vida. Sua comunicação com o mundo vem através de um rádio de pilha, do futebol e de uma obra que acontece ao lado de seu prédio. Estas são as suas referências que reforçam e muitas vezes impedem seu isolamento total e constante busca de uma razão para viver. Filmado em preto em branco, dimensionando assim a dor, a monotonia e descrença do personagem no mundo que vive e em si próprio, “Transeunte” mergulha fundo neste mundo de desesperança, frieza e isolamento de um homem idoso sem perspectivas. Metáfora sobre o mundo capitalista onde quem não produz não tem “valor”? Metáfora sobre a verdade do homem moderno que se isola e se distância da realidade e da indiferença do outro por não ser “notado”? Metáfora sobre a insignificância do mundo em relação aos idosos e/ou daqueles que viveram demais para continuar acreditando em alguma coisa concreta e positiva? Acredito que Eryk Rocha, como todo bom cineasta, faz mais perguntas que respostas sobre o tema. Muito bem dirigido, o filme tem longas cenas, enquadramentos que “quebram” a narrativa, uma montagem cadenciada que explora até o limite o potencial de cada cena de solidão do personagem e excesso de barulhos e silêncios que mostram o mundo em volta do personagem, tudo dentro de uma narrativa que não faz concessões. Vejo claras influências do cinema novo brasileiro dos anos 60 no filme e ao mesmo tempo, uma modernidade estética que já tinha percebido nos documentários anteriores do diretor (com “A Rocha que Voa” e “Pachamma”). Sem concessões ou mudanças na história que teriam objetivo de deixar o filme mais acessível, “Transeunte” não foi concebido para ser um filme popular. Aqui, temos um bom exemplo do que podemos chamar de cinema de autor em nosso cinema como algum tempo não tinha visto. Longe das atuais produções brasileiras que pretendem conquistar o público à qualquer preço com filmes que já nascem velhos e datados, “Transeunte” é um filme que nos obriga a prestar atenção e procura estimular nosso olhar e pensamento num tema tão complexo e próximo de todos nós. Por isso merece nosso elogio e todos os prêmios que tem recebido. Não deixe de ver.(Marco Antonio Moreira)
O VELHO DE ROUPA NOVA
“Transeunte”(Brasil.2010)é o tipo do filme sobre velho tratado por cineasta novo. Começa a ser assim definido pela piedade no corte. Poucos diretores jovens gostam de cortar seus filmes. Erik Rocha segue a regra. Há, por exemplo, uma seqüência em que o principal personagem anda um quarteirão inteiro e a câmera estática o observa até atingir que ele chegue ao fim da rua. Além disso, há muita filigrana a titulo de evocação poética (flores caindo, travelling ligeiro por entre arvores....). Os argentinos vêem a velhice com mais discernimento, ou seja, filme de estilo velho sobre velhos. Mas eu não quero fazer comparações. Achei o filme de Erik, seu primeiro longa, muito interessante. Até porque não é derrotista. O cidadão chamado Expedito (Fernando Bezerra ótima máscara),tem 65 anos, é solteiro, perdeu a mãe com quem vivia, e agora mora só em uma quitinete no subúrbio carioca. Sua rotina pode parecer enfadonha. Mas não se vê reclamos da parte dele. Ouve radio insistentemente, caminha pelo bairro onde mora, freqüenta um bar das proximidades, vai ao Maracanã torcer pelo Flamengo,e até ensaia a voz no mencionado bar. Isto sem falar em sexo. Quando não suporta a abstenção procura uma prostituta. E o único lado triste desse quadro é ir ao cemitério e levar os restos da mãe para uma gaveta num corredor da mesma necrópole. “Transeunte” não mostra um Rio postal nem um Rio favela. E chega a parecer ficção cientifica quando foca Expedito andando pelas ruas desertas na madrugada sem ser assaltado. Isto numa metrópole de hoje é como viajar em nave espacial. Infelizmente a narrativa com a explosão de closes e lentidão de seqüências torna o filme endereçado à platéia especial. Mas se compararmos com o que fazia o pai do cineasta, Glauber Rocha, é um drama que o espectador paciente compreende e se comove. As lições de cinestética estão mais para os postulados básicos (ou griffhtianos) do que para os cultuados por Godard. Daí eu ter gostado do que vi. Uma estréia que se pode achar corajosa na artindustria traiçoeira. (Pedro Veriano)

AGENDA
*Cineclube Alexandrino Moreira: A ACCPA em parceria com IAP exibe no dia 19/02 o filme “Vida em Familia” de Ken Loach, que aborda a repressão familiar e a ineficácia e crueldade dos tratamentos psiquiátricos, através da história de uma jovem de 19 anos. A exibição será às 19h com entrada franca e debate após a exibição.
*Cine Olympia: Continua em exibição “Transeunte” dentro da mostra de filmes do diretor Eryk Rocha. É um belo trabalho que mostra a história de um aposentado solitário que perde os laços afetivos com a vida e com as pessoas.”Transeunte” foi eleito o melhor filme brasileiro ano passado pela ABRACCINE (Associação Brasileira dos Críticos de Cinemas). Sessão às 18:30 h com entrada franca.
*Cine Líbero Luxardo: Continua em exibição o filme francês "L'Apollonide - Os Amores da Casa de Tolerância" de Bertrand Bonello. O filme será exibido nas seguintes datas:07 a 10/03 (19h), 11/03 (16h30 e 19h), 14 a 17/03 (19h) e
18/03 (16h30 e 19h).
.*Cine Estação: “A Separação”, filme iraniano premiado com o “Oscar” de melhor filme estrangeiro será exibido a partir de abril. Já estão programados para o cinema o seguintes filmes: “Drive”(maio) e “Um Método Perigoso”(junho).
* Cine Sesc Boulevard : Em parceria com a ACCPA, será exibido na quarta-feira, dia 21/03, o documentário “Os Anos JK” de Silvio Tendler que mostra a trajetória política do presidente Juscelino Kubitshek. A exibição começará às 19h com entrada franca e debate após o filme.

sábado, 10 de março de 2012

CINE TROPPO - SEMANA DE 09 À 15/03/12


CINE TROPPO
Marco Antonio Moreira Carvalho
Lançamentos da Semana
Caso não haja alterações de última hora, as estréias da semana são “John Carter – Entre Dois Mundos”, “O Pacto” e "L'Apollonide - Os Amores da Casa de Tolerância".
“John Carter – Entre Dois Mundos” é uma adaptação cinematográfica de “A Princesa de Marte” (John Carter de Marte), clássico romance de Edgar Rice Burroughs (autor de “Tarzan”), cujas aventuras influenciaram vários livros e filmes. A história é ambientada no misterioso e exótico planeta de Barsoom. O filme conta a história de John Carter que é inexplicavelmente transportado para Marte onde se vê envolvido em um conflito de proporções épicas entre os habitantes do planeta, incluindo Tars Tarkas e a atraente Princesa Dejah Thoris. Em um mundo à beira do colapso, Carter descobre que a sobrevivência de Barsoom e de seu povo está em suas mãos. A direção do filme é de Andrew Stanton ('Procurando Nemo', 'Wall-E').É um dos filmes mais caros já produzidos pelos estúdios Disney.
“O Pacto” tem como protagonista o ator Nicolas Cage no papel de um homem chamado Will que leva uma vida pacífica até o dia em que sua esposa é atacada brutalmente por um desconhecido. Em seguida um estranho aparece oferecendo a Will um plano de vingança com a condição de que o serviço seja retribuído em outra ocasião. O que Will não desconfia é que logo ele será cobrado para pagar a dívida cometendo um crime também.
"L'Apollonide - Os Amores da Casa de Tolerância” foi selecionado para a competição do Festival de Cannes 2011. No início do século XX, o bordel L’Apollonide vive seus últimos dias. Neste mundo fechado, onde alguns homens se apaixonam e outros se tornam viciosamente perigosos, as garotas dividem seus segredos e suas rivalidades, seus medos, dores e também o prazer. O filme teve várias indicações ao “César” (maior prêmio do cinema francêrs) incluindo melhor atriz revelação, melhor atriz coadjuvante melhor fotografia e melhor trilha sonora.

QUADRO DE COTAÇÕES / ACCPA
FILMES MARCO MOREIRA PEDRO VERIANO LUZIA ÁLVARES
“A Invenção
de Hugo
Cabret” Excelente/Excelente/Excelente
--------------------------------------------------------------------
“O Garoto da
Bicicleta” Excelente/Excelente/Excelente
--------------------------------------------------------------------
“Freud
Além
da Alma” Muito Bom/ Bom/Bom
--------------------------------------------------------------------
“A Dama
de Ferro” Razoável/Razoável/Razoável
--------------------------------------------------------------------
“Tão Forte,
Tão Perto” Razoável/Muito Bom/Muito Bom
--------------------------------------------------------------------
“Transeunte” Excelente/-/-
--------------------------------------------------------------------

Críticas/”O GAROTO DA BICILETA”
O cinema dos irmãos Dardenne é emotivo sem ser dramático, sensível sem ser apelativo e realista ao abordar temas tão comuns as pessoas. Seus filmes tem um estilo aparentemente distante e/ou frio do tema apresentado maIs na realidade os diretores procuram revelar aos espectadores uma densidade e profundidade da história de uma forma realista, provocadora e reflexiva. Em “A Criança”, seu primeiro grande filme, eles já tinham abordado um tema humanista sobre o mundo em que vivemos e o resultado foi brilhante. Em “O Garoto da Bicicleta” vemos a relação de uma criança com um mundo que ela não entende. Aqui, o pequeno Curyll não entende porque seu pai repentinamente o abandonou. Incansável na busca do pai e de uma resposta, este menino passa por uma transformação que não o permite perceber as relações e emoções que o envolvem. O único momento de paz e conforto deste menino é quando está na bicicleta dada pelo seu pai. E neste confronto/conflito que ele vive com as pessoas, coisas, mundo e finalmente com seu próprio pai após o reencontro, ele se transforma novamente. O mundo frio e calculista que se apresenta, é confirmado. Seu pai o abandona. Ponto final. E o que fazer com isso? Como viver com isso? Como mudar as poucas relações afetivas que o mundo nos apresenta? Como amar sem ser amado pelo próprio pai? Como seguir em diante? Estas são algumas das perguntas levantas neste belo filme que conquista o espectador aos poucos e nos aproxima de um drama comum ao ser humano, que através dos olhos e sentimentos de um menino, causa emoção e reflexão ao seu final. Excelente trabalho que já é um dos melhores filmes exibidos este ano. (Marco Antonio Moreira)

O pequeno Cyrill não se conforma em ficar retido num orfanato sabendo que tem pai vivo. Mas o pai não quer saber dele. Num consultório médico, ao procurar o apartamento onde o pai morava, ele vai esbarrar em Samantha, uma cabeleireira que passa a se dedicar ao seu problema e acabar assumindo a condição de sua tutora. Por causa do menino ela estremece a relação com o namorado e começa a viver um pesadelo quando sabe que o protegido se meteu com marginais e está cometendo pequenos delitos.“O Garoto da Bicicleta”(Le Gamin au Veio) é um filme dos irmãos Jean-Pierre e Luc Dardenne e não o primeiro em que eles vêem a infância (há “Le Fils” e “A Criança”). Fugindo das armadilhas melodramáticas, mas sem desprezar as lições do neo-realismo que consagrou cineastas como De Sica, eles procuram tratar um drama social adentrando numa linha introspectiva, tentando com pouca musica incidental (apenas em um momento a 5ª de Beethoven) e câmera na mão dimensionar o garoto do titulo, apegado à sua bicicleta como presente do pai que não lhe ama e o relicário de seus dias menos dramáticos. Claro que o pequeno interprete, Thomas Doret, dá o seu show. Mas as honras eu acho que devem ser divididas com Cecile De France, aquela bela atriz que Clint Eastwood botou num tusiname em seu “Além da Vida”. Ela compõe a mulher decidida que prefere vestir a roupa de desamada a deixar escapar a chance de fazer alguém feliz (ou menos infeliz). Um filme bonito, de linguagem acessível a todos, e com a quota de emoção perfeita para se sentir no cinema sem chegar ao choramingas de tantos dramas parecidos. (Pedro Veriano)

Mais um olhar dos irmãos Dardenne (Jean-Pierre e Luc) para a criança é o que se vê em “O Garoto da Bicicleta”(Le Gamin au Veio> Belgica,2010). Eles viram, antes, menores desamparados em “O Filho” e “A Criança”. A vez agora é de Cyril (Thomas Doret), abandonado pelo pai a quem adora sem ao menos um adeus. Inconformado, procura sair de qualquer forma do orfanato onde foi parar, em busca desse pai que para ele ainda está num velho endereço. Mas não é bem sucedido. E, na busca, esbarra numa cabelereira (Cecile De France) que espera uma consulta médica. O encontro é para o bem de Cyrill. A jovem chega a abandonar uma relação amorosa para conviver com o garoto rebelde por se sentir abandonado. E a opção mostra-se gradativamente sofrida quando ela sabe que ele encontrou um pequeno ladrão que se apossa de sua ingenuidade e agilidade. Diferente dos outros filmes, os Dardenne, desta vez, mostram-se otimistas. Entre muitas situações dramáticas eles abrem espaço para um caminho a seguir para o pequeno personagem. O último plano não fecha o destino dele, mas é promissor.
Garoto da bicicleta posto que o veículo é um elo de ligação com a imagem paterna. Cyrill encontra o objeto que o pai lhe dera e depois tomara (vendera) como chega a acha-lo na cozinha de um restaurante. Mas o papel desse pai se esvoaça quando o menino procura-o para dar a ele um dinheiro roubado. Não há nem mesmo uma repreensão pelo fato. O homem diz apenas: “-Não me procure mais”. A narrativa opta pela câmera manual com insistência, e prefere os planos próximos. Essa, aliás, é a métrica de uma linguagem introspectiva. E para isso exige bastante dos interpretes. Todos afinam com um trabalho exemplar que emociona sem apelar para clichês ou pieguice. Um filme excelente a ser visto e, certamente, aplaudido.(Luzia Álvares)

AGENDA
*Cineclube Alexandrino Moreira: A ACCPA em parceria com IAP exibe no dia 19/02 o filme “Vida em Familia” de Ken Loach, que aborda a repressão familiar e a ineficácia e crueldade dos tratamentos psiquiátricos, através da história de uma jovem de 19 anos. A exibição será às 19h com entrada franca e debate após a exibição.
*Cine Olympia: Continua em exibição “Transeunte” dentro da mostra de filmes do diretor Eryk Rocha. É um belo trabalho que mostra a história de um aposentado solitário que perde os laços afetivos com a vida e com as pessoas.”Transeunte” foi eleito o melhor filme brasileiro ano passado pela ABRACCINE (Associação Brasileira dos Críticos de Cinemas). Sessão às 18:30 h com entrada franca. Domingo, dia 11/03, acontecerá a sessão CINEMATECA, dentro da programação do centenário do cine Olympia, numa parceria com a ACCPA. Serão exibidos filmes que fora projetados no Olympia e que fizeram sucesso de público e crítica. A programação começa com "Ladrão de Bagdá", versão de 1940.Entrada franca às 16h.
*Cine Líbero Luxardo: Está em exibição desde quarta-feira o filme francês "L'Apollonide - Os Amores da Casa de Tolerância" de Bertrand Bonello. Maiores informações na seção ESTREIAS DA SEMANA. O filme será exibido nas seguintes datas:07 a 10/03 (19h), 11/03 (16h30 e 19h), 14 a 17/03 (19h) e 18/03 (16h30 e 19h).
.*Cine Estação: “O Garoto da Bicicleta”, belo filme dos irmãos Dardenne (realizadores de “A Criança” e “O Segredo de Lorna”) tem hoje seu último dia de exibição com sessões às 10h, 18h e 20h30. Não deixe de ver. É um dos melhores filmes exibidos este ano em nosso circuito.
* Cine Sesc Boulevard : Em parceria com a ACCPA, será exibido na quarta-feira, dia 21/03, o documentário “Os Anos JK” de Silvio Tendler que mostra a trajetória política do presidente Juscelino Kubitshek. A exibição começará às 19h com entrada franca e debate após o filme.

domingo, 4 de março de 2012

CINE TROPPO - SEMANA DE 02 À 08/03/12


CINE TROPPO
Marco Antonio Moreira Carvalho
Lançamentos da Semana
Caso não haja alterações de última hora, as estréias da semana são “O Artista”, “O Garoto da Bicicleta”, “Anjos da Noite – O Despertar”, “Billi Pig”, “A Saga Molusco – Anoitecer” e “Poder sem Limites”.
“O Artista” é um dos filmes mais comentados da temporada e venceu 5 “Oscar” este ano incluindo melhor filme, diretor, ator, figurino e trilha sonora.O filme se passa na Hollywood de 1927 e conta a história do astro de cinema George Valentin, que, enquanto se preocupa com o futuro de sua carreira com a chegada do cinema falado, se apaixona por Peppy Miller, uma jovem dançarina que busca o sucesso. Bela homenagem ao cinema num projeto simples e audacioso em plena era do cinema digital. No elenco, Jean Dujardin, Bérénice Bejo e John Goodman. A direção é de Michel Hazanavicius.
“O Garoto da Bicicleta” mostra a história de garoto de quase 12 anos que tenta desesperadamente encontrar seu pai, que o deixou misteriosamente. Abandonado, ele conhece Samantha, que administra um salão de cabeleireiro mas ele não reconhece nenhum sentimento até entender porque seu pai o abandonou.O filme é dirigido por Jean-Pierre Dardenne e Luc Dardenne(A Criança) e ganhou o prêmio do júri no Festival de Cannes do ano passado.
“Anjos da Noite – O Despertar” é o quarto filme da série que faz sucesso nos cinemas. A vampira Selene (Kate Beckinsale) acorda após ser mantida em estado de coma durante doze anos, e descobre que tem uma filha, chamada Nissa. A garota é uma perigosa mistura das duas raças. Quando encontra sua filha, precisa defendê-la de um grupo assassino de lobisomens modificados criados pela BioCom.
“Billi Pig” é uma comédia nacional com Selton Mello. A aspirante a atriz Marivalda, seu marido Wanderley, um corretor de seguros falido e um falso padre fazem de tudo pra se dar bem na vida. Mas eles acabam nas mãos do chefe do tráfico e agora têm que correr atrás do milagre prometido.
“A Saga Molusco - Anoitecer' é uma sátira da saga “Crepúsculo” que mostra Bella, o vampiro branquelo Edward e o lobisomem gorducho de uma forma bem diferente dos personagens originais.
'Poder sem Limites' é um filme de super-herói, criado e contado sob a perspectiva de um garoto de 17 anos, por meio de sua câmera. Neste filme, três adolescentes repentinamente, são capazes de fazer coisas que nunca imaginaram ser possível e terão de lidar com a responsabilidade que virá com estes poderes extraordinários.

“Oscar 2012”
“O Artista” acabou sendo o grande vencedor do “Oscar” 2012. Vencedor de 05 “Oscar”, o filme é uma bela homenagem ao cinema mudo, a simplicidade do cinema desta época e a magia que estes filmes provocaram nos espectadores. “A Imvenção de Hugo” de Martin Scorsese ganhou os prêmios técnicos, como se esperava. Lamento apenas que Scorsese não tenha sido premiado com o “Oscar” de melhor diretor. Na categoria de melhor ator, felizmente o ator francês Jean Dujardin foi premiado pelo papel principal de “O Artista” numa atuação simples mais cativante. É muito difícil atuar num filme mudo pois o ator tem que usar todas as suas expressões corporais para se fazer entender e Dujardin achou o jeito certo de atuar no papel de um charmoso ator que conhece o sucesso e depois o fracasso.O que falar sobre Meryl Streep? A maior atriz em atividade do cinema finalmente ganhou seu terceiro “Oscar” numa atuação impecável em “A Dama de Ferro” depois de quase 30 anos de sua interpretação histórica em “A Escolha de Sofia”. Foi um dos melhores momentos da noite ao lado da premiação do melhor filme estrangeiro para “A Separação”, filme iraniano que empolgou a crítica mundial . Outro grande momento da noite foi a premiação de Woody Allen pelo roteiro original em “Meia-Noite em Paris”. Como sempre, Allen não foi à cerimônia. É o terceiro “Oscar” de Woody Allen(ganhou anteriormente com “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa” e “Hannah e suas Irmãs”).Na categoria de melhor ator coadjuvante, Christopher Pummer foi vencedor pela boa atuação em “Todas as Formas de Amor” mas é uma pena que o grande ator Max Von Sydow não tenha ganho seu prêmio não somente pela sua boa atuação em “Tão Forte Tão Perto” mas pelo conjunto de sua obra, especialmente quando foi dirigido pelo diretor sueco Ingmar Bergman. A cerimônia de entrega do prêmio foi relativamente rápida, sem exageros. Lastimável foi a ausência do nome do diretor Theo Angelopoulos na homenagem tradicionalmente feita aos artistas falecidos. No mais, o aprentador Billy Crystal foi o mesmo de sempre, sem surpresas, alternando momentos sem inspiração com algumas gracinhas que funcionaram em alguns momentos, o “Oscar” continua sendo um prêmio da indústria cinematográfica americana para o cinema americano e continuaremos a ser testemunhas do poucas novidades. Jamais uma obra-prima como “A Árvore da Vida” teria chances num meio onde merecimento é uma palavra rara. Confira a relação completa dos premiados do “Oscae” 2012:

MELHOR FILME
O Artista

MELHOR DIREÇÃO
Michel Hazanavicius, O Artista

MELHOR ATOR
Jean Dujardin, O Artista

MELHOR ATRIZ
Meryl Streep, A Dama de Ferro

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Christopher Plummer, Toda Forma de Amor

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Octavia Spencer, Histórias Cruzadas

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Meia-Noite em Paris (Woody Allen)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Os Descendentes (Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
A Separação - Asghar Farhadi (Irã)

MELHOR ANIMAÇÃO
Rango

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
O Artista - Ludovic Bource

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
Man or Muppet, de Os Muppets, música e letra de Bret McKenzie

MELHOR MAQUIAGEM
A Dama de Ferro

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
A Invenção de Hugo Cabret

MELHOR FOTOGRAFIA
A Invenção de Hugo Cabret

MELHOR FIGURINO
O Artista

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Undefeated

MELHOR DOCUMENTÁRIO EM CURTA-METRAGEM
Saving Face

MELHOR EDIÇÃO
Os Homens que Não Amavam as Mulheres

MELHOR ANIMAÇÃO EM CURTA-METRAGEM
The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore

MELHOR CURTA-METRAGEM
The Shore

MELHOR EDIÇÃO DE SOM
A Invenção de Hugo Cabret

MELHOR MIXAGEM DE SOM
A Invenção de Hugo Cabret

MELHORES EFEITOS VISUAIS
A Invenção de Hugo Cabret

AGENDA
*Cineclube Alexandrino Moreira: A ACCPA em parceria com IAP exibe amanhã o filme “Freud Além da Alma”, dirigido por John Huston (Relíquia Macabra/O Segredo das Jóias). A produção mostra a história do inicio da carreira de Sigmund Freud(1856-1939) , o criador da psicanálise. O roteiro se detém no primeiro caso clinico que ele tratou: o de uma jovem histérica. No elenco, Montgomery Clift e Susanah York. O filme será exibido às 19h com entrada franca e debate após a exibição.
*Cine Olympia: Continua a mostra de filmes do diretor Eryk Rocha com a exibição de “Pachamama”, título que significa para os indígenas andinos “mãe-terra” e designa a deusa agrária dos camponeses. O filme narra a viagem do diretor pela floresta brasileira em direção ao Peru e à Bolívia, onde encontra a realidade de povos historicamente excluídos do processo político de seus países e que pela primeira vez na história buscam uma participação efetiva na construção do seu próprio destino. A exibição começa às 18:30 h com entrada franca.A partir de terça-feira, será exibido o inédito “Transeunte”, seu primeiro filme de ficção que conta uma história sobre a velhice de um homem aposentado e solitário.
*Cine Líbero Luxardo: Hoje é o último dia de exibição do filme ”Triângulo Amoroso”, de Tom Tykwer, diretor de “Corra, Lola, Corra” e “Perfume – A História de um Assassino” . O filme será exibido às 17h e 19h.
*Cine Estação: “O Garoto da Bicicleta”, belo filme dos irmãos Dardenne (realizadores de “A Criança”) está em exibição nas seguintes datas :1º (quinta), às 18h e 20h30,02 (sexta), às 18h e 20h30,04 (domingo), às 10h, 18h e 20h30,08 (quinta), às 18h e 20h30, 09 (sexta), às 18h e 20h30 e 11(domingo), às 10h, 18h e 20h30.
*Cine Saraiva : Em parceria com a ACCPA, será exibido no dia 08/02 o filme “Irmãs Diabólicas”, filme dirigido por Brian de Palma(Os Intocáveis) em 1973 sendo o primeiro trabalho deste diretor com claras influências do cinema de Alfred Hitchcock. A sessão começa às 19h com entrada franca.
* Cine Sesc Boulevard : Em parceria com a ACCPA, será exibido na quarta-feira dia 07/02 o filme “Amor Bruxo” do diretor espanhol Carlos Saura às 19h com entrada franca.

Cine Troppo - De 09 a 15/07/20