Postagens

Mostrando postagens de 2012

MELHORES DO CINEMA EM 2012 - RELAÇÃO INDIVIDUAL

Imagem
CINE TROPPO 
Marco Antonio Moreira Carvalho

MELHORES DO CINEMA/2012 
Cumprindo uma tradição de 50 anos, os críticos da ACCPA (Associação de Críticos de Cinema do Pará) estiveram reunidos dia 27/12 para a escolha dos melhores do cinema em 2012. Categorias como melhor filme, diretor, ator e atriz (entre outras) foram votadas democraticamente elegendo assim os melhores do cinema num ano que foi bom mais que apresentou menos filmes de alta qualidade que em 2010 e 2011. Hoje, estarei publicando a minha relação individual apresentada na reunião dos melhores. No próximo domingo, será publicada a relação completa da ACCPA.
“Fausto” de Aleksandr Soukurov foi o grande destaque do ano com uma adaptação livre da obra de Goeth onde o diretor magistralmente inclui na narrativa discursos sobre politica, filosofia, existencialismo e humanismo num projeto complexo que merece estudo e atenção do espectador. Sokurov é autor de grandes filmes como “Arca Russa” e “Alexandra” e seu novo trabalho confirma su…

OS MELHORES DO CINEMA EM 2012 - ACCPA

Imagem
ACCPA elege iraniano ‘A Separação’ como o melhor do ano Associação divulga lista dos melhores filmes exibidos em 2012 por aqui
Uma tradição natalina que já existe há 50 anos, a reunião dos membros da Associação dos Críticos de Cinema do Pará (ACCPA) na noite da última quinta-feira, 27, culminou na eleição dos dez melhores filmes exibidos no circuito comercial e alternativo de Belém em 2012.
A excelência do cinema norte-americano, um tanto alquebrada pela crise criativa que Hollywood atravessa a alguns anos, refletiu na lista de filmes eleitos pelos críticos de cinema paraenses, que contemplou a filmografia francesa, alemã, russa e iraniana.
A história extremamente humana e tensa de um casal que está se separando, deixando a filha dividida entre que rumo tomar e que entra em conflito com a empregada grávida fez “A Separação” colecionar prêmios desde a sua estreia. Deixando o ritmo desacelerado e contemplativo típico do cinema do Irã, Asghar Farhadi dirige e roteiriza esse filme brilhante q…

CINE TROPPO - SEMANA DE 21 À 27/12/12

Imagem
CINE TROPPO 
Marco Antonio Moreira Carvalho

INDICAÇÕES/DVD 
“REDESCOBRIR” – MARIA RITA 
Qualquer cantora que queira revisitar as canções interpretadas pela grande Elis Regina tem que ter muita coragem e audácia. Afinal, Elis é a maior cantora deste país e sua morte em 1982 não mudou em nada esta posição. Imagine então a responsabilidade de sua filha, Maria Rita, em fazer uma homenagem que incluiu a (re) interpretação de grandes clássicos de Elis, uma turnê nacional e por fim, o registo disso tudo em cd e dvd. Confesso que num primeiro momento, como fã absoluto de Elis, não sabia o que esperar desse projeto mais depois que vi o show “Redescobrir” aqui em Belém, dentro da turnê nacional, fiquei impressionado com o talento já conhecido da Maria Rita. Cantando melhor do que nunca, afinada, com um domínio de palco perfeito e uma excelente banda (com destaque para o pianista Thiago Costa), Maria Rita procurou fazer a melhor homenagem possível selecionando grandes canções que marcaram várias e…

CINE TROPPO - SEMANA DE 07 À 13/12/12

Imagem
CINE TROPPO 
Marco Antonio Moreira Carvalho

SUPERNOVAS 
*Final de 2012 chegando e posso adiantar aos leitores da coluna que dificilmente verei ainda este ano um filme melhor que “Fausto” de A. Sokurov. Raras vezes vi no cinema um filme tão instigante, complexo e profundo. Na melhor tradição do seu cinema, Sokurov provou que sem dúvida é um dos melhores diretores da atualidade.

* Ainda falando dos melhores do ano, apesar do cinema brasileiro ter conseguido bons sucessos de bilheteria com filmes de baixo nível, pelo menos dois filmes nacionais merecem destaque no balanço dos melhores do ano: “Transeunte” de Eryk Rocha e “Febre do Rato” de Cláudio Assis. Apesar de tudo, o cinema brasileiro ainda pulsa criatividade e sensibilidade e estes dois filmes são bons exemplos disto. Resta apenas o público brasileiro perceber isso e prestigiar este tipo de produção nacional.  * Dentro da programação da ACCPA (Associação dos Críticos de Cinema do Pará), foi exibido no Cine Saraiva dia 29/11 o clássico…

CINE TROPPO - SEMANA DE 30/11 À 06/12/12

Imagem
CINE TROPPO 
Marco Antonio Moreira Carvalho

MEMÓRIA 
Os Melhores do Cinema em Belém em 1963 - II
Arnaldo Prado Junior
Em 1963 a Associação Paraense de Críticos Cinematográficos (APCC) escolheu os melhores do cinema, com base nas exibições realizadas no circuito comercial de Belém, “de acordo com o ponto de vista da recém-formada Associação Paraense de Críticos Cinematográficos (APCC).” Em 1962 houve, também, a escolha dos melhores do ano “de acordo com as opiniões dos “críticos militantes da cidade”. Fac-símiles das manchetes das páginas dos jornais da época (tirados de meu arquivo) que publicaram as escolhas estão ilustrando este texto, bem como uma cena de “A Aventura” (foto), o melhor filme do ano de 1963, onde aparecem Gabriele Ferzetti e Monica Vitti. Os melhores das categorias selecionadas em 1963 estão a seguir:
DIRETOR MICHELANGELO ANTONIONI, por “A Aventura” – 4 votos
ATOR BURT LANCASTER, por “O Homem de Alcatraz” – Unanimidade.
ATRIZ GERALDINE PAGE, por “O Doce Pássaro da …

CINE TROPPO - SEMANA DE 23 À 30/11/12

Imagem
CINE TROPPO
Marco Antonio Moreira Carvalho

MEMÓRIA
Os Melhores do Cinema em Belém em 1963
Arnaldo Prado Junior

A Associação Paraense de Críticos Cinematográficos (APCC) fez sua primeira escolha de melhores do cinema de filmes exibidos no circuito comercial de Belém em 1963. No ano anterior críticos que militavam na imprensa também haviam escolhido os melhores relativos a 1962, mas não ainda em associação. Com o título “Críticos Paraenses Escolhem os Melhores de 1962”, foi publicada em “O Liberal”, de Belém, em 31 de dezembro de 1962, a lista dos filmes e demais categorias selecionados de acordo com as opiniões dos “críticos militantes da cidade”: Acyr Castro e Alberto Queiroz, de “O Liberal”, Rafael Costa, do “Jornal do Dia”, Edwaldo Martins e Sérgio Paulo de Macêdo, da Rádio Marajoara, e Arnaldo Prado Junior, do suplemento literário de “A Província do Pará”. Da primeira escolha da APCC, em 1963, participaram os seguintes: Edwaldo Martins (Rádio Marajoara), Acyr Castro (A Província d…

CINE TROPPO - SEMANA DE 16 À 22/11/12

Imagem
CINE TROPPO 
Marco Antonio Moreira 

CRITICA DE CINEMA EM BELÉM
Critica de filmes é uma forma de jornalismo advinda da França por volta da segunda década do século passado. Críticos como André Bazin, e através dele a revista Cahiers du Cinéma, passaram a analisar os filmes exibidos. A maioria não era cineasta, mas estudiosa da arte de fazer cinema.Nos anos 30 muitos jornais do mundo inteiro já possuíam colunas dedicadas a comentários de filmes. Em Belém surgiram críticos de ocasião, ou seja, comentaristas avulsos, publicando resenhas, a maioria elogiosa, sobre o que seria (ou iria ser) exibido em cinemas comerciais. Lembro que na estreia de “Branca de Neve e os 7 Anões” os artigos sobre o filme, elogiando a técnica de animação, ganharam páginas de diversos jornais especialmente de “Folha do Norte”. Por sinal que este matutino, dirigido por Paulo Maranhão, foi pioneiro numa coluna regular dedicada a cinema e teatro. Chamava-se “Palcos e Telas” e era redigida pelo bancário Theodoro Brazão…

CINE TROPPO - SEMANA DE 09 À 15/11/12

Imagem
CINE TROPPO 
Marco Antonio Moreira Carvalho 

Críticas
“Gonzaga: De Pai para Filho” de Breno Silveira. Normalmente as biografias adaptadas para o cinema sempre distorcem os fatos e os personagens com o objetivo de conquistar a platéia e/ou agradar um novo público que não conhece nada do biografado ou conhece muito pouco. No caso da vida do grande mestre Luiz Gonzaga, o diretor Breno Silveira não precisou interferir muito na história para fazer um bom filme porque a vida de Gonzaga já foi um extremo de dificuldades, amor, decepções, inexperiência, pesadelos e sonhos. Vejo que caberia aqui ao diretor apenas saber aproximar todo este carrossel de emoções de forma equilibrada, numa narrativa simples e sem exageros. E felizmente foi isto que aconteceu. Centrado na vida do homem Luiz Gonzaga, o filme é construído especialmente pelos conflitos de Gonzaga com seu filho, Gonzaguinha, mostrando o lado humano destes personagens reais que tem muito que haver com todos nós. Em cima desta simplicidade,…