OS MELHORES DO CINEMA EM 2012 - ACCPA


ACCPA elege iraniano ‘A Separação’ como o melhor do ano
Associação divulga lista dos melhores filmes exibidos em 2012 por aqui

Uma tradição natalina que já existe há 50 anos, a reunião dos membros da Associação dos Críticos de Cinema do Pará (ACCPA) na noite da última quinta-feira, 27, culminou na eleição dos dez melhores filmes exibidos no circuito comercial e alternativo de Belém em 2012.

A excelência do cinema norte-americano, um tanto alquebrada pela crise criativa que Hollywood atravessa a alguns anos, refletiu na lista de filmes eleitos pelos críticos de cinema paraenses, que contemplou a filmografia francesa, alemã, russa e iraniana.

A história extremamente humana e tensa de um casal que está se separando, deixando a filha dividida entre que rumo tomar e que entra em conflito com a empregada grávida fez “A Separação” colecionar prêmios desde a sua estreia. Deixando o ritmo desacelerado e contemplativo típico do cinema do Irã, Asghar Farhadi dirige e roteiriza esse filme brilhante que teve a atuação de Leila Hatami premiada em Berlim.

Primeiro filme de arte rodado em 3D, “Pina” é uma realização extrema e bela de Wim Wenders. Alemão, ele trata da vida e obra da coreografa e bailarina c ompatriota, Pina Bausch, num recorte amoroso e vigoroso de imagens que bailam na tela, emoções dos principais colaboradores dessa grande artista que executam suas criações com uma carga emocional tátil. O filme chegou ao público de Belém graças a um esforço conjunto da associação juntamente com a distribuidora Imovision e a rede de cinemas Moviecom, mas não teve uma boa bilheteria.

Completando a tríade dos filmes que alcançaram o topo da lista dos melhores está o russo “Fausto”, de Alexandr Sokurov. Sob a patuta do cineasta de “Arca Russa”, a releitura do conto medieval sobre um famoso médico alemão que vende a alma a Mefistófeles, o diabo, transforma-se em um filme de estética muito particular que investiga os jogos de poder e completa a sua tetralogia sobre o assunto.

Literatura que alimenta o audiovisual

“A invenção de Hugo Cabret”, “Drive”, “Precisamos falar sobre o Kevin” e “Cosmopolis” são bons exemplos de adaptações literárias interessantes. O filme de Scorsese é onírico e promove uma viagem sentimental aos primórdios do cinema, através da mística do pioneiro Georges Meliés. Já “Drive” imprime vigor sob uma roupagem oitentista da violência e incomunicabilidade, na persona de um solitário motorista. A climática trilha sonora do filme estrelado por Ryan Gosling também foi eleita a melhor pela ACCPA, assim como a canção “A Real Hero”.

A perturbadora investigação sobre a psique de um jovem que assassina dezenas de pessoas é o cerne da narrativa de “Precisamos falar sobre o Kevin”, obra de Lionel Shriver que na adaptação cinematográfica teve Tilda Swinton eleita como melhor atriz pela sua impressionante atuação como a mãe de Kevin. David Cronenberg dá um salto para o futuro ao dirigir e roteirizar “Cosmópolis”, também presente na lista. Robert Pattinson é um bilionário entendiado que atravessa Manhattan em sua limousine, apenas para cortar o cabelo mas é transformado pelos encontros que tem pelo caminho.

Filme de maior bilheteria da história da França, “Intocáveis” teve uma passagem ligeira pelos cinemas de Belém. A força da obra reside nas cativantes interpretações de François Cluzet e Omar Sy (eleito um dos melhores atores coadjuvantes do ano) como dois homens de classes, cores e pensamentos diferentes que se unem numa amizade sem barreiras.

Falando de interpretações inesquecíveis, Michael Fassbender teve o reconhecimento merecido pela ACCPA, que elegeu a sua atuação em “Shame” como a melhor do ano. Na pele de um homem que tem sua vida consumida pelo sexo, ele provoca uma sorte de sentimentos múltiplos. Esse filme visceral, que ainda tem a bela atuação de Carey Mulligan (melhora atriz coadjuvante) é dirigido por Steve McQueen e foi eleito um dos dez melhores.

Grande vencedor do Oscar 2012, “O Artista” foi exibido por aqui dentro da programação do centenário do Cine Olympia, e considerado também um dos melhores do ano, por sua singela metalinguagem sobre do que é feita a industria de sonhos, através da saga de um ator (Jean Dujardin) que tem que fazer a transição do cinema mudo para o falado.

Os críticos Luzia Álvares, Pedro Veriano, Marco Antonio Moreira, Dedé Mesquita, Augusto Pacheco, Arnaldo Prado Jr., José Otávio Pinto, Francisco Cardoso, Fernando Segtowick, Raoni Arraes, Elias Neves e Lorenna Montenegro votaram ao todo em quinze categorias, que também tiveram contabilizados os votos de Maiolino Miranda.

“Valente”, a animação da Pixar que conta uma fabula sobre uma princesa que não quer assumir a sua função real, faturou nessa categoria. Já o melhor filme brasileiro foi “Transeunte”, documentário experimental e bastante de licado de Eryk Rocha, herdeiro de Glauber.

Menções
Como todos os anos, após a votação foram sugeridas e votadas menções. Todos os membros concordaram  em louvar os100 anos do Cinema Olympia e a programação do centenário repleta de mostras e festivais - o cinema irá receber a mostra dos melhores de 2012 segundo a ACCPA a partir do dia 08 de janeiro.

Ao filme “Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios” (de Beto Brant e Renato Ciasca) que foi rodado no Pará, contratou profissionais daqui e cuja produção integrou-se com as comunidades locais.

O cineasta pernambucano Claudio Assis também foi lembrado pela qualidade autoral do cinema com estética marginal de extrema qualidade que ele vem fazendo, em especial pelo filme “A Febre do Rato”; a qualidade da programação do Cine Estação e Cine Líbero Luxardo também foi ressaltada, já que seis dos dez filmes eleitos pela ACCPA foram exibidos nesses espaços.

Os parceiros da entidade que permitem ações da associação referentes a exibição de filmes e formação de plateia foram lembrados e reverenciados -: IAP, Livraria Saraiva (Belém), Sesc Boulevard, Casa da Linguagem e Cine Olympia. E por fim, olhando diretamente para 2013, a menção aos 50 anos de fundação e atuação da ACCPA (antes APCC) dentro do cenário cultural local.



Confira a lista completa:
Melhores Filmes
1) "A Separação" de Asghar Farhadi (75 pontos)
2) "Pina (3D)" de Wim Wenders (71 pontos)
3) “Fausto" de Alexander Sokurov (69 pontos)
4) " A invenção de Hugo Cabret (3D)" de Martin Scorsese (68 pontos)
5)"O Artista" de Michel Hazanavicius
“Shame”, de Steve McQueen (ambos c om 48 pontos)
7) "Drive" de Nicolas Winding Refn (40 pontos)
8) "Intocáveis" de Eric Toledano & Olivier Nakache (35 pontos)
9) “Precisamos falar sobre o Kevin" de Lynne Ramsay
“Cosmopolis” de David Cronenberg (ambos com 34 pontos)

Melhor Diretor: Alexandr Sokurov (Fausto)
Melhor Ator: Michael Fassbender (Shame)
Melhor Atriz: Tilda Swinton (Precisamos falar sobre o Kevin)
Melhor Atriz Coadjuvante: Carey Mulligan (Shame)
Melhor Ator Coadjuvante: empate entre Paul Giamatti (Cosmopólis), Ben Kingsley (A Invenção de Hugo Cabret), Omar Sy (Intocáveis) e Viggo Mortensen (Na Estrada)

Melhor Montagem: Toni Froschhammer (Pina)
Melhor Cenografia: Elena Zhukova (Fausto)
Melhor Fotografia: Bruno Delbonnel (Fausto)
Melhor Figurino: Sandy Powell (A invenção de Hugo Cabret)
Melhor Trilha Sonora: Cliff  Martinez (Drive)
Melhor Canção Original: “A Real Hero” – College &.Electric Youth (Drive)
Melhor Roteiro Original: Asghar Farhadi (A Separação)
Melhor Roteiro Adaptado: Alexandr Sokurov, Marina Koreneva e Iuri Arabov (Fausto)
Melhores Efeitos Especiais: “A invenção de Hugo Cabret” e “As aventuras de Pi”

Melhor Animação: Valente, da Pixar
Prêmio ACCPA - Destaque do Ano - Cinema Brasileiro : "Transeunte” de Eryk Rocha.

Menções Honrosas:
* Os 100 anos do Cinema Olympia e a programação do centenário repleta de mostras e festivais;
* Ao filme “Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios” (de Beto Brant e Renato Ciasca) que foi rodado no Pará, contratou profissionais daqui e cuja produção integrou-se com as comunidades locais;
* Ao cineasta pernambucano Claudio Assis pela qualidade autoral do cinema com estética marginal de extrema qualidade que ele vem fazendo, em especial pelo filme “A Febre do Rato”;
*À qualidade da programação do Cine Estação e Cine Líbero Luxardo. Seis dos dez filmes eleitos pela ACCPA foram exibidos nesses espaços;
* Aos parceiros da ACCPA que permitem ações da associação referentes a exibição de filmes e formação de platéia : IAP, Livraria Saraiva (Belém), Sesc Boulevard, Cine Olympia e Casa da Linguagem.
* Aos 50 anos de fundação e atuação da ACCPA (antes APCC) dentro do cenário cultural local.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E O FINAL DE "ONDE OS FRACOS NÃO TEM VEZ"

Cine Troppo - De 02 a 08/03/17

Cine Troppo - De 21 a 27/12/17