CINE TROPPO - SEMANA DE 17 À 23/08/12


CINE TROPPO
Marco Antonio Moreira Carvalho

Criticas
“Batman : O Cavaleiro das Trevas Ressurge” de Christopher Nolan. Quando o diretor Christopher Nolan (Amnésia/Insônia) foi chamado para fazer uma nova trilogia do personagem Batman para o cinema, acreditei que ele faria um bom trabalho. Sendo um dos autores do roteiro dos filmes, Nolan soube resgatar o mistério, a dualidade e a humanidade deste personagem. Mais do que isso, Nolan “quebrou” a fantasia dos espectadores com relação à Batman quando seu enredo contextualiza Gotham City como uma cidade real, possível, aqui, agora. Esta sensação de realidade está presente em toda a trilogia feita por Nolan e por isso Batman cresceu como um personagem em busca da justiça com seu lado sombrio, captando momentos da nossa realidade. Gotham City é aqui agora. O Coringa, de alguma forma, está em nossas ruas e o vilão Banes mais ainda por ser um personagem movido pela vingança, um dos sentimentos mais bárbaros do homem que muitos cineastas valorizam quando deveriam questionar. Em “Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge”, Nolan consegue fechar o ciclo de todos os personagens da história criando uma trama que mistura terrorismo com fanatismo, vingança com redenção e principalmente, humanidade com a nossa realidade tão sombria ou pior que a de Gotham City, uma cidade sitiada pelo medo e por personagens destrutivos e em busca de poder (alguma diferença do mundo real?). É incrível com o diretor consegue levantar tantas questões relevantes e ao mesmo tempo realizar um “blockbuster” que faturou milhões de dólares. É possível equilibrar entretenimento e conteúdo ? Nolan provou que sim. Completa a trilogia, tudo indica que outro personagem vai continuar a luta pela justiça de Batman. Seja como for, Nolan deu o seu recado resgatando um personagem extremamente interessante que nos últimos tempos perdeu sua força e significância. Ressuscitando Batman, Nolan ressuscitou as esperanças de que o cinema comercial pode e deve ser mais provocativo e instigante para o espectador.

“Shame” de Steve McQueen. Novo mundo, novas tecnologia, novos comportamentos, mesmo drama. O ser humano continua em busca de respostas. Os grandes cineastas sabem disso e refletem em seus trabalhos estas perguntas. O diretor Steve cQueen captou em “Shame” um drama humano típico deste início do século. Um homem obcecado por sexo, vaga pela cidade em busca de algo que não sabe, não compreende. Suas emoções são profundas mais ele prefere ficar na superfície, na sua superfície, usando o sexo como uma fuga para outra realidade, que quando termina, só aumenta sua instrospecção e dúvidas sobre quem é e quem quer ser. Sua relação com a irmã é a única coisa real na sua vida. Mas ele não sabe lidar com os sentimentos que tem por ela. Será paixão, sexo? Ou é mais uma fuga para não pensar em quem é?Mcqueen é um dos bons diretores do cinema do momento. “Hunger”, realizado em 2008, é sensacional, revelando um cineasta que usa a linguagem do cinema diretamente conectada com as intenções da sua história, do seu contexto. Polêmico, talvez até atrevido demais para alguns espectadores, “Shame” provoca e incomoda. E para mim, isto é um bom começo. Destaque especial para a atuação de Michael Fassbander, simplesmente genial. Veja sem falta.

“Febre do Rato” de Cláudio Assis. Quando vejo um filme de Cláudio Assis, sempre saio do cinema com a impressão de que o cinema brasileiro precisa de diretores que sejam polêmicos, atrevidos e desafiadores. Não gosto de todos os filmes de Assis mais vejo no seu cinema algo particular, algo autoral que somente ele poderia fazer hoje no cinema brasileiro. Posso discordar do cinema de Assis, mas ele sempre se joga, se e se revela em seus trabalhos. Dessa forma ele é, deseja ser, será, um diretor autoral por mais que seu cinema não seja apreciado pela maioria. “Amarelo Manga” e “Baixio das Bestas” são dois trabalhos fortes, reais e que mostraram as intenções deste pernambucano com o chamado novo cinema brasileiro. Mas é com “Febre do Rato” que ele se define e se completa até agora. Febre do Rato é uma expressa popular de Recife que revela quando alguém está fora de controle, está “danado”. “Febre do Rato” é um filme sem controle, danado, que mistura realismo, poesia, personagens à beira do fim e do começo, inconformados com tudo e com todos. É um filme anarquista, graças à Deus, que promove a loucura através da arte para se chegar à qualquer lugar. E tenha certeza que qualquer lugar é muito para os personagens deste filme. Assis não faz concessões. Não quer que o espectador se identifique com seus personagens mais sim, que saiba que eles existem aqui fora e de alguma forma, também dentro de cada um de nós. Sexo e poesia, loucura e liberdade, certo(?) e errado (?). Uma nova forma de vida, de viver, de se relacionar com a vida. É isto que Assis indica em “Febre do Rato”. Cabe ao espectador acompanhar ou não esta jornada proposta por este diretor que merece total atenção de quem gosta de cinema. Destaque mais do que especial para a delirante fotografia em preto e branco de Walter Carvalho.

ESTREÍAS DA SEMANA
“360” de Fernando Meirelles, “Outback : Uma Galera Animal”, “Um Divã para Dois” com Mery Streep e “O Vingador do Futuro” com Collin Farrel, Festival Varilux de Cinema Francês (Moviecom Castanheira sala 04)

AGENDA
*Cineclube Alexandrino Moreira (Auditório do IAP): Dia 20/08, em parceria com a ACCPA, será exibido “A Tortura do Silêncio”, em homenagem ao diretor Alfred Hitchcock com Montgomery Clifft às 19h com entrada franca e debate.
*Cineclube Pedro Veriano (Casa da Linguagem): De volta com sua programação em parceria com a ACCPA, o cineclube exibirá dia 28/08 o filme “Assassinato” em homenagem ao diretor Alfred Hitchcock às 18h com entrada franca e debate.
*Cine Olympia: Devido a manutenção técnica, o cinema suspendeu suas atividades temporariamente.
*Cine Líbero Luxardo: “Shame” de Steve Mcqueen está em exibição deste o dia 15/08. Brandon (Michael Fassbender), é um homem bem sucedido que tem acesso a tudo mas na sua intimidade ele é um viciado em sexo. Com a chegada de sua irmã, novas situações aparecem na sua vida. O filme será exibido dias 19/08 (17h e 19h), 22 a 23/08 (19h), 24/08 (19h e 21h) e 25/08 a 26/08 (19h).
*Cine Estação: “Febre do Rato” de Cláudio Assis será exibido até o dia 26/08. Hoje o filme terá sessões às 10 e 20:30h.
* Cine Saraiva : Dia 30/08, na parceria da ACCPA com a APC (Academia Paraense de Ciências), será exibido o filme “Ponto de Mutação” com Liv Ullman às 17h com entrada franca e debate.

Comentários

Katiuscia de Sá disse…
nossa! vc arrasou nas criticas sobre SHAME e FEBRE DO RATO. senti vida nos seus textos. parabens! adorei.

Postagens mais visitadas deste blog

E O FINAL DE "ONDE OS FRACOS NÃO TEM VEZ"

Cine Troppo - De 21 a 27/12/17

Cine Troppo - De 25 a 31/01/18