CINE TROPPO - SEMANA DE 23 À 29/03/12


CINE TROPPO
Marco Antonio Moreira Carvalho
Lançamentos da Semana
Caso não haja alterações de última hora, as estréias da semana são “Pina”, “Drive”, “Jogos Vorazes” e “O Lorax : Em Busca da Trúfula Perdida”.
“Pina” está sendo considerado como um dos primeiros filmes de arte realizados em 3D. O filme é uma homenagem a Pina Bausch, coreógrada alemã que morreu em 2009. Win Wenders (realizador de grandes filmes como “Asas do Desejo” e “Paris, Texas”) procura mostrar o trabalho e a inspiração de Pina através da sua dança e dos depoimentos de parceiros e dançarinos da companhia de dança Tanztheater Wuppertal que ela dirigiu durante anos. O filme foi indicado ao “Oscar” de melhor documentário este ano. Programa obrigatório.
“Drive” é um grande filme que revela o trabalho de Nicolas Winding Refn que inclusive ganhou o prêmio de melhor diretor no último festival de Cannes. O filme mostra a história de um piloto de carros dublê em Hollywood que presta serviços de motorista para criminosos mas tudo se complica quando ele tenta ajudar o marido de uma amiga e acaba tornando-se alvo de um dos homens mais perigosos de Los Angeles. “Drive” é um dos grandes filmes do ano. Não deixe de ver.
“Jogos Vorazes” é uma adaptação do sucesso mundial da escritora Suzanne Collins,
primeira parte de um trilogia de livros para jovens cujos títulos originais são: "The Hunger Games", "Catching Fire" e "Mockingjay". Em um futuro distante, depois da extinção da América do Norte, sua população é dividida em 13 distritos. Anualmente, dois jovens representantes de cada distrito são sorteados para participar de um reality showmortal. Katniss Everdeen é um deles que se vê obrigada a participar da competição para salvar sua irmã e conseguir a liberdade de seu povo. No elenco, a excelente atriz Jennifer Lawrence (Inverno da Alma)
“O Lorax : Em Busca da Trúfula Perdida” é uma adaptação do conto clássico do Dr. Seuss de uma criatura da floresta que compartilha o eterno poder da esperança. A aventura animada conta a jornada de um rapaz que procura pela única coisa que poderá fazer com que ele conquiste a afeição da garota de seus sonhos. O filme será exibido em 3D.

Crítica/”PINA”
“Pina” de Win Wenders.
Há tempos não via um filme tão bom do diretor Win Wenders. Sou fã do seu trabalho desde que vi “O Amigo Americano” no final dos anos setenta. Wenders sabe como poucos diretores trabalhar a imagem, o som, a narrativa e desenvolver boas histórias em seus filmes. Mas seus últimos trabalhos não alcançaram o nível da primeira fase da sua carreira. Em “Pina”, ele teve uma chance de ouro na intenção de mostrar a magnífica obra da coreógrafa Pina Baush que revolucionou a dança nas últimas décadas com seu trabalho na companhia de dança Tanztheater Wuppertal. E o desafio aumentou quando durante a elaboração do projeto, Pina faleceu aos 68 anos. Dessa forma, Wenders direcionou seu filme como uma ode ao trabalho de Pina, evidenciando sua coreografia, dentro e fora dos palcos, mostrando os dançarinos completamente envolvidos com a dança seja diante do público, seja diante da selva de pedra da cidade grande.
Wenders foi extremamente feliz em colocar a dança de Pina nas ruas. Assim, ele dimensionou o trabalho da coreógrafa, entrando em contato com o dia a dia das pessoas, coisas, lugares sem vida que cercam nossa rotina. A dança, aqui, dá vida as coisas, lugares. A simplicidade e complexidade das coreografias emocionam. Assim como emociona os depoimentos dos parceiros/dançarinos de Pina no decorrer de todo o documentário. Wenders, cineasta experiente no gênero documentário, mostra os depoimentos com a câmera captando a imagem das pessoas e deixando uma narração em “off” destas pessoas expressar seus sentimentos por Pina. Assim, nós espectadores começamos a entender o que Pina era, é e sempre será. Uma artista inspiradora que procurava tirar o melhor de cada um de forma que esse melhor explodisse com toda a força na hora da dança. “Dancem, dancem, do contrário estamos perdidos”. É isso. A dança é vida. E Pina fazia todos acreditar nisso.
Trabalhando à exaustão as cores, movimentos, cenários e enquadramentos para captar a essência do trabalho de Pina, Wenders foi realmente feliz em usar a tecnologia 3D de forma técnica mais acima de tudo, sensível, funcional, poética, exploratória, inspirando-se na imagem captada e não mentindo/forjando um efeito visual do nada para lugar nenhum como normalmente os filmes fazem com este nova tecnologia. Aqui, a força da tecnologia 3D nasce, nos inspira e nos faz acreditar que é muito mais do que simplesmente forma. O 3D pode ser parte do conteúdo, da construção estética de um filme e usado como foi em “Pina”, só podemos esperar o melhor dos futuros projetos e diretores que vejam este recurso com uma visão menos comercial e mais interativa dentro da narrativa. Ao final, o filme nos conquista ao ponto de nos sentirmos como um dos dançarinos e parceiros de Pina com uma imensa saudade e sentimento de perda desta artista inspiradora mas principalmente com uma enorme vontade de viver, compreender e aceitar o mundo através da beleza da dança.

AGENDA
*Cineclube Alexandrino Moreira: A ACCPA em parceria com IAP exibirá em abril os clássicos “Irene, A Teimosa” de Gregory La Cava e “Rastros de Ódio” de John Ford em homenagem ao crítico Alexandrino Moreira que faria 80 anos em 2012. Em maio, mais homenagens com exibição de filmes do grande ator Erland Josephson e do roteirista Tonino Gerra, recentemente falecidos.
*Cine Olympia: Dentro da mostra de filmes da distribuidora LUME, hoje será exibido o filme “Pusher” do diretor Nicolas Winding Refner (mesmo diretor de “Drive”). O filme foi realizado em 1996 e tem uma história sobre o submundo do crime em Copenhague através de Frank, um pequeno traficante que vive de golpes e sofre para escapar da perseguição implacável dos grandes chefões do crime. Confira a programação da mostra nesta semana : Dias 27 e 28/03 – “KES” de Ken Loach (1969), Dias 29 e 30/03 – “O ANJO EMBRIAGADO” de Akira Kurosawa (1948) e Dias 31/03 e 01/04 – “UM CONDENADO À MORTE ESCAPOU” de Robert Bresson (1956). A mostra faz parte da programação especial do centenário do cine Olympia e tem sessão às 18:30 h com entrada franca.
*Cine Líbero Luxardo: "Uma Doce Mentira" de Pierre Salvadori será exibido no período de 28 a 01 de abril e 04 de abril a 08 de abril, às 19h. O filme mostra a história de Emilie (Audrey Tautou) que recebe uma linda carta de amor anônima e partir dessa situação, vê sua rotina ser alterada com uma série de surpresas.
.*Cine Estação: “A Separação”, filme iraniano premiado com o “Oscar” de melhor filme estrangeiro será exibido a partir de abril.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E O FINAL DE "ONDE OS FRACOS NÃO TEM VEZ"

Cine Troppo - De 21 a 27/12/17

Cine Troppo - De 25 a 31/01/18