CINE TROPPO - SEMANA DE 17 À 23/06/11



CINE TROPPO
Marco Antonio Moreira Carvalho
Lançamentos da Semana
Caso não haja alterações de última hora, as estréias da semana são “Meia-noite em Paris” e “Estamos Juntos”.
“Meia-Noite em Paris” é o novo filme do mestre Woody Allen, que desde os anos 60 realiza filmes de alta qualidade, seja na comédia ou no drama, e que criou um estilo de fazer cinema muito pessoal e que é imitado por muitos cineastas. Como um dos grandes nomes do cinema ainda ativo, cada novo trabalho que Allen lança é um evento para a crítica mundial. Em “Meia-Noite em Paris”, ele novamente sai do seu “habitat” natural, New York, para contar uma história que se passa na França. Um homem sempre idealizou e admirou os grandes escritores americanos e sempre quis ser como eles. Com o tempo, ele acaba indo trabalhar como roteirista em Hollywood, o que se por um lado fez com que fosse muito bem remunerado, por outro lhe rendeu uma boa dose de frustração. Depois de algum tempo, ele planeja ir para Paris com sua noiva e seu pais, pretendendo fechar um grande negócio. Mas estar em Paris faz com que ele volte a se questionar sobre os rumos de sua vida, voltando a pensar em se tornar um grande escritor. No elenco, Kathy Bates (Louca Obsessão), Adrien Brody ( O Pianista), Carla Bruni, Marion Cotillard (Piaf), Rachel McAdams (Sherlock Holmes), Michael Sheen e Owen Wilson. “Meia-noite em Paris” foi filme de abertura do Festival de Cannes 2011, agradando a crítica e o público.
“Estamos Juntos” é um filme nacional com Leandra Leal (Nome Próprio) no elenco.
Uma jovem e talentosa médica, começava a fazer sua vida conforme seus planos: uma vida independente na agitada São Paulo e distante das amarras da cidade provinciana de onde veio. Mas quando sintomas de uma grave e inesperada doença surgem na sua vida, sua rotina se transforma. No elenco, Cauã Reymond, Déborah Duboc, Dira Paes, Leandra Leal, Lee Taylor, Nazareno Casero. A direção é de Tony Venturi, diretor de város curtas-metragem e especiais para a televisão.

SUPERNOVAS
*Darren Aronofsky (Cisne Negro) está progredindo na produção de “Noah”, seu próximo projeto que podera ter Christian Bale (Batman - O Cavaleiro das Trevas') como protgonitaa. .O orçamento do filme gira em torno de altos US$ 130 milhões.No longa, ele conta em escala épica a história bíblica de Noé e sua arca. O roteiro inicialmente escrito pelo próprio Aronofsky atualmente é reescrito por John Logan.
*Há quatro anos, o roteirista Rick Rapier fez o roteiro de uma sequência do filme “Curtindo a Vida Adoidado” (Ferris Bueller's Day Off), estrelado por Matthew Broderick. Mas Sem financiamento de nenhum estúdio, o roteiro de 'Curtindo a Vida Adoidado 2' (o título original é Ferris Bueller 2: Another Day Off) circula por Hollywood e segundo algumas fontes da imprensa americana, pode ser produzido este ano para lançamento em 2012..
*O diretor Daniel Filho está preparando um filme baseado na série “Confissões de Adolescente”', exibida pela TV Cultura. A atriz Georgiana Góes é a primeira confirmada no elenco. Ela volta a viver a personagem Bárbara. O elenco da série negocia seu retorno, entre eles Luiz Otávio, Deborah Secco, Daniele Valente e Maria Mariana, roteirista da série.
*Leonardo DiCaprio (A Ilha do Mêdo) poderá intrepretar o vilão em “Django Unchained”', spaghetti western a ser dirigido por Quentin Tarantino.Enquanto DiCaprio está quase confirmado, Will Smith (Hardock) sai do elenco que poderá ter Jamie Foxx (Ray). A obra é parcialmente inspirada em 'Django' (1956).O elenco conta com Christoph Waltz, Keith Carradine e Franco Nero.
*”Johnny Guitar” (foto) de Nicholas Ray será o filme da Sessão Cult dia 02/07 no Cine Líbero Luxardo, numa parceria com a ACCPA. É um dos grandes filmes do mestre Nicholas Ray e tem a atriz Joan Crowford no elenco. O filme é considerado como um dos grandes westerns do cinema americano.Entrada franca.
* No próximo dia 29/06, será lançado o Edital Ideal de Curta-metragem, no Sesc Boulevard às 19h. O edital irá oferecer R$ 40.000,00 à produção de um curta-metragem paraense numa fantástica iniciativa do grupo educacional Ideal. O edital tem o apoio da ACCPA, ABDeC (Pará) e Caiana Filmes.
* “Mouchette : A Virgem Possuída” de Robert Bressos teve um excelente debate no último dia 13, no cineclube Alexandrino Moreira. É realmente um filme forte, amargo e que traz muitas reflexões. A exibição do filme foi uma homenagem ao diretor Robert Bresson, um dos mais importantes diretores do cinema e que merece ser mais conhecido e reconhecido pelas novas gerações de cinemaníacos.
* ACCPA (Associação dos Críticos de Cinema do Pará) tem um site à disposição do internauta: www.accpara.com.br . No site da ACCPA, tem a programação dos cinemas comerciais e alternativos, críticas, calendários de estreias, enquete, etc..
*Acesse “Odisséia”, meu blog sobre cinema e outros assuntos no endereço http://www.marcoantoniomoreira.blogspot.com/.
* Meu Twitter: www.twitter.com/marcomoreira_

Crítica
“Nós que nos Amávamos Tanto”
Por Arnaldo Prado Junior
A sessão Cult do Cine Líbero Luxardo do dia 4 de junho de 2011, além de ser uma homenagem ao diretor Ettore Scola feita pela ACCPA exibindo seu filme Nós que nos Amávamos Tanto (C’ Eravamo Tanto Amati, 1974), faz um reconhecimento a outros cineastas, com trechos do filme de Scola dedicados a eles.Depois do início em cores, indicando a época atual dos personagens, 1974, volta-se a 1944, com imagens em preto e branco, com um grupo de combatentes italianos preparando explosivos para atingir um comboio de guerra alemão em uma gelada rodovia. Após o dispositivo de detonação ser acionado por um dos homens, a cena seguinte não é da explosão, mas sim de uma comemoração popular nas ruas da cidade. Um dos personagens faz a narração:
- A Itália foi libertada. A guerra acabou e começou o pós-guerra. A paz nos separou. Em 1946, Gianni, Antonio e eu, cada um na sua cidade...participamos dos tempestuosos dias do referendo. Monarquia ou República?
Antonio (Nino Manfredi), em Roma, retornou ao trabalho de antes da guerra, empregado no Hospital São Camilo; Nicola Palumbo (Stefano Satta Flores), em Nocera Inferiore, casou-se e era professor no Liceu Giambattista Vico e Gianni Perego (Vittorio Gassman), em Pavia, conseguiu se formar em Direito são os três personagens centrais da história e que, também, são narradores durante a ação. Antonio avança com o relato:
- Para a história convém recordar que em 1947 ...De Gaspari obtendo dos EUA um empréstimo de 100 milhões de dólares...por acaso baniu do Governo comunistas e socialistas. Em seguida os funcionários cristão-democratas, protegidos pelas freiras...foram promovidos a enfermeiros...mas eu, que tinha um partido político diferente... permaneci como simples auxiliar.
[...]
- Mas foi também um ano maravilhoso...porque tive o grande encontro da minha vida.
Era uma bela paciente, tivera uma tontura e desmaiara na rua, Luciana Zanon (Stefania Sandrelli). O ideal dela era ser atriz.Em estilo de documentário, Scola mostra os primeiros anos do pós-guerra situando o ambiente político e apresentando os personagens principais. Em seguida vai para a narrativa corrida. Após 54 minutos de filme o tempo dá um avanço significativo e, para marcar esse avanço, Scola volta ao colorido, em uma sequência de rara criatividade, na qual figuras desenhadas no chão vão recebendo cores, juntamente com o ambiente
Desde o início, o diretor estabeleceu uma parceria entre ele, os personagens/narradores e o espectador para desenvolver a história. Introduz, ainda, outro recurso: a câmera destaca um personagem com iluminação enquanto os outros ficam na penumbra e estáticos; o personagem focado, então, fala; o que ele diz é a expressão do próprio pensamento; a convenção é que ninguém o ouve na cena, nem mesmo o personagem a quem ele se dirige.Ettore Scola utiliza-se, ainda, de inserções de trechos de filmes como Ladrões de Bicicletas, de Vittorio De Sica e uma sequência com Federico Fellini, simulando a preparação de uma cena de A Doce Vida; cenas estáticas de O Eclipse de Michelangelo Antonioni, intercaladas no monólogo de Elide (Giovanna Ralli), filha de Romulo Catennaci (Aldo Fabrizi), o capitalista corrupto e cínico, ela que se casara com Gianni; ao gravar um depoimento, ela se manifesta sobre os abismos da alma feminina e da comunicação com os mortos. Essa comunicação ela a faz com Gianni, mas ele vivo e ela morta, depois de um acidente de automóvel aparentemente provocado por ela. Esta cena é mais uma variação estilística. A cena não tem, na verdade, nada de comunicação dos mortos, é um recurso narrativo no plano temporal.
Outra sequência homenageia mais um grande cineasta. Nicola e Juliana estão no topo de uma escadaria e Antonio sentado no último degrau abaixo. Ele, subindo e descendo degraus, gesticulando, empolgado, descreve em detalhes, dramatizando com humor, a clássica sequência na escadaria de Odessa de O Encouraçado Potenkin, de Sergei Eisentein, realizado em 1925.Em outro momento Ettore Scola usa uma sequência de um filme na qual a personagem de Kim Novak conversa com um personagem masculino. O diálogo apresentado, no entanto, é como se os personagens fossem Luciana e Antonio; a cena termina com um beijo; os dois assistiam ao filme.Há uma sequência com Vittorio De Sica obtida de arquivo e inserida como se existisse no tempo do filme de Scola.
Ettore Scola não ideologiza o discurso, não é panfletário, mas não deixa de mostrar confrontos ideológicos, sendo que, um debate após a exibição de “Ladrões de Bicicletas”, no Liceu Giambattista Vico, onde Nicola dava aulas, é bem ilustrativo em relação à generalização de tendências radicais opostas.
Nós que nos Amávamos Tanto, com história, roteiro e diálogos de Agenore Incrocci, Furio Scarpelli e Ettore Scola, na diversidade temática e de estilos, é harmônico, sensível, vigoroso, contundente, sentimental, trágico, nostálgico... é uma prova da vitalidade de Ettore Scola há 40 anos, ainda vivo em 2011, com 80 anos e que mereceu aplausos ao final da exibição na sessão Cult do Cine Líbero Luxardo.

AGENDA
* Cineclube Alexandrino Moreira: O cineclube, em parceria com a ACCPA (Associação dos Críticos de Cinema do Pará) exibirá no dia 27/06, o filme espanhol “O Espírito da Colméia” de Victor Erice com Anna Torrente (Cria Cuervos) no elenco. O filme será exibido às 19h com entrada franca e o tradicional debate entre o público e críticos da ACCPA. .
*Cine Líbero Luxardo: “Machete” de Roberto Rodriguez ainda está em exibição. No elenco, Robert de Niro, Michelle Rodriguez e Jessica Alba. Sessão às 19h. No dia 26 de junho, o cinema comemora 25 anos de atividades e poderá acontecer uma programação especial.
*Cine Olympia: Hoje é o último dia de exibição do documentário nacional “Faixa de Areia” com sessão única às 18:30h. Entrada franca. O filme é resultado de uma pesquisa sobre a diversidade nas praias cariocas..N\a sessão Cinemteca, hoje às 16 h será exibido o clássico “O Galante Mr. Deeds” de Frank Capra. Entrada franca.
*Cine Estação: O belo filme “Em um Mundo Melhor” de Susanne Bier está em exibição e tem hoje seu último dia. O filme ganhou o “Oscar” de melhor filme estrangeiro e será exibido hoje às 10h, 18h e 20h30.O filme mostra de forma sensível e relfexiva, histórias sobre a violência do homem e sua inevitável natureza de ter de se relacionar com o outro, buscando equilíbrio e tolerância para tentar viver em um mundo melhor. Não perca.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E O FINAL DE "ONDE OS FRACOS NÃO TEM VEZ"

Cine Troppo - De 02 a 08/03/17

Cine Troppo - De 21 a 27/12/17